quarta-feira, 27 de maio de 2009

anime-a

DESLUMBRA

Você corre na contramão do amor
De coração curioso mas enjaulado!
Você começou a gritar agora ao meu lado
Mas já faz hora e ainda não berrou!

Não jogue pedras na cruz
Tire seu capuz e não enterre paixões
Cante como os bem-te-vís livres
Lindas canções divinas naturais

Dê seus passos sempre alargando-os
Que já já a senhorita se solta, deslumbra
E estará voando!

terça-feira, 19 de maio de 2009

pequenos poemas grandes emoções...

ASSOMBRO
fael du lobo

Mas né pra tanto meu assombro?
Eu sou puro desejo e você fuga
(...)
Até quando?

domingo, 10 de maio de 2009


Homem de Trinta
Sérgio Sampaio

Composição: Sérgio Sampaio

Quase que eu fui pro buraco
Por pouco nao fui morar no porão
Dancei mas não sei não
tive cuidado
De ter os pés quase sempre no chão
E a cabeça voando como se voa na imaginação
Longe do resto do bando
Mas sempre perto do meu coração

Depois de algum tempo nisso
Indo no fundo e voltando pra ver
Eu me descubro, amor, dentro do vício
Maravilhosamente a renascer. . .
Amando a vida como ama
o entalhador um pedaço de pau
o pescador o seu rio
e o sofredor sua mulher fatal

Hoje com os olhos mais claros
olhando as coisas como as coisas são
Eu me desenho, amor, como se pinta um quadro novo com o brilho e a cor
De todo homem de trinta. . . Trinta moleques que o tempo criou
E muito embora eu nao sinta
Eu sei que eu sou o que eu fui e o que sou

Tenho almoçado e jantado
Tenho tomado café da manhã
Barra pesada não, muito obrigado
Tenho levado uam vida sã
Tenho tomado algumas
E tenho amado uma mesma mulher
Eu tenho andado sem turma
Mas solitário eu sei que nao dá pé. . .

pra quando não te quiserem!

CERTEZA INCONSTANTE

Inadvertida conversa solitária que não virou diálogo
Ou mesmo plêiade dialógica emocional desalimentada
Amor que não gerou frutos, paixão que só foi batalha
Inabalável certeza trêmula que não me deu atalho

Nosso caldo de feijão não engrossou temperado
Nosso filho não virou leitor
Você que não nos quis
e não mais me procurou.... preocupou!

Não houve família que nos impedisse
Não houve bela história de superação
Somente fomos um curto atrito
Que foi atrito mais não esquentou coração

A realidade foi por ti construída
Houve aí intencionalidades
Tentei ser alí pré-reflexivo
Mas tudo que fiz, alí, só resultou em SAUDADES!

andando com a proposta da confusão como explicação...

PRA NÃO FALAR DE EU

Pra onde vou se não eu?
onde estaría quando não mais fosse?
não teria o que não trouxe...
e não seria da julieta o romeu!

Fuga audaz do auto-cativeiro...
distanciamento que não tem jeito...

Eu quero é não ver mais falar de eu
e sentir a nostalgia do futuro sonhado!

Não há como não ser,
e sendo, não há porque mentir,
somos todos "eus", mas "eus"
em devir!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

quinta-feira, 7 de maio de 2009

introspec(a)tividade

UM DIA PINTA
fael du lobo

UMA DIA INDA PINTA EM TUA PORTA...
UMA LEMBRANÇA DIGNA,
UMA LEMBRANÇA TERNA,
UMA LEMBRANÇA SÓBRIA!

UMA LEMBRANÇA QUE GUARDASTE INÓCUA,
AINDA QUE SEM OBJETIVIDADE,
EM SEU MURAL INTERNO DE SENSAÇÕES E HISTÓRIAS!

É, MEU AMIGO, É ESSA A LEMBRANÇA NOBRE!

VOCÊ CRIANÇA E UMAS CASAS QUE JÁ NÃO SÃO MAIS AQUELAS CASAS...
SEU PAI DE CABELO PRETO E SUA MÃE AMAMENTANDO SUA IRMÃ MAIS NOVA!

LEMBREI DAQUELA MÚSICA QUE DANÇEI MEIO TÍMIDO PERTO DELA,
LEMBREI DAQUELE BAILE QUE COM ELA NÃO FIQUEI... FOI VERGONHA!
LEMBREI DO FUTEBOL QUE CANELAS DURAS E MACHUCADAS ME DEU,
LEMBREI ATÉ DA PROFESSORA QUE NO PASSADO ATORMENTEI!

MEUS AMIGOS, LEMBREI!
E VOCÊS HÃO TAMBÉM DE LEMBRAR,
SEJA OU NÃO EM UM MOMENTO DIGNO E OPORTUNO.
QUANDO ESTIVEREM REVENDO VELHAS FOTOS OU ESCUTANDO DISCOS EMPOEIRADOS,
QUANDO ESTIVEREM REMEXENDO EM VELHAS ROUPAS PERDIDAS NO FUNDO DO ARMÁRIO,
VOCÊS LEMBRARÃO DE QUEM FORAM E DE COMO SE IMAGINAVAM SENDO NO FUTURO...

E FOI ASSIM QUE VI QUE ENTRE O MEU "EU" CRIANÇA E O MEU "EU" ADULTO HÁ UM GRANDE ABISMO CURIOSO E ESCURO!

E SABE AMIGO,
EU SEMPRO VOLTO LÁ...
E EU LÁ ÀS VEZES ME PERCO.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

uma bem antiga

AHAM!

Deram-me ópio pois...
pois eu transgredi!
Forçaram meus cadeados e riram das verdades.

Ironia, cólera ou danação?
Somos arqui-rivais?

O estranho é ser bizarro essa conversa malacabada!
Você fala eu escuto,
Eu escuto você fala...
Tens razão!